Quais são os impactos das cidades planejadas?

Gestão urbana é um tema recorrente em nosso blog devido ao crescimento exponencial de urbanização. Por isso, as cidades planejadas se destacam pela capacidade e relevância em oferecer excelência em qualidade de vida.

No Brasil, a agenda urbana continua sendo um dos maiores desafios, principalmente no que diz respeito às questões econômicas, políticas, ambientais e sociais.

Segundo estudos da Organização das Nações Unidas (ONU), a proporção de pessoas residentes nas cidades brasileiras passou de 36%, em 1950, para 87% hoje. Além disso, o mesmo estudo projeta que até 2050 a proporção poderá chegar a 92.4%.

Assim, é comum que as cidades apresentem problemas com base no próprio desenvolvimento, principalmente os não planejados.

Acompanhe a leitura e aprenda mais sobre o assunto.

Mas afinal, o que são cidades planejadas?
As cidades planejadas são projetadas do zero para manter o planejamento contínuo. Além de garantir soluções sustentáveis, seguras e de longo prazo.

Mesmo sendo populosas, as cidades planejadas apresentam crescimento controlado e se desenvolvem de acordo com projetos urbanos, garantindo extrema qualidade.

Isso porque o objetivo é oferecer políticas públicas com qualidade e eficiência, de forma que atendam a todas as demandas e necessidades urbanas. Porém, essa não é a realidade de muitas cidades, já que as cidades não planejadas são maioria no país e no mundo.

Cidades não planejadas, também chamadas de cidades espontâneas, são aquelas sem nenhum planejamento urbano e que acabam se constituindo com o tempo à medida que as pessoas se instalam, geralmente no entorno de rios e rodovias.

Sem um planejamento adequado, as cidades espontâneas crescem de forma desordenada, gerando problemas de infraestrutura, trânsito, segurança e outras questões relacionadas ao bem-estar social.

Portanto, morar em uma cidade planejada é antecipar o futuro por meio de um ambiente estruturado que visa beneficiar a população em todos os sentidos.

Cidades brasileiras planejadas
Embora as cidades planejadas não sejam predominantes no país, as projeções existentes são referência em organização, desenvolvimento e planejamento urbano.

Com grandes esforços para melhorar a habitabilidade, infraestrutura, mobilidade e serviços públicos, as cidades brasileiras planejadas têm um modelo especial. Confira abaixo.

Brasília
Não há dúvida de que Brasília é a cidade planejada mais conhecida do país. Construída para ser a sede do Governo Federal, o planejamento da capital é um dos mais importantes da história.

Isso porque o projeto de construção seguiu três objetivos principais:

Previna ataques marítimos;
Remova a possibilidade de protestos;
Povoar e desenvolver o interior do país.
No setor de mobilidade urbana, Brasília é a cidade mais bem posicionada da região Centro-Oeste e ocupa a 4ª colocação no Ranking Geral de Cidades Inteligentes 2021.

Belo Horizonte
A capital mineira foi a primeira cidade moderna planejada. Durante o projeto de construção, o objetivo era desenvolver uma cidade do futuro.

Inspirada nas construções francesas, Belo Horizonte é formada por ruas amplas, avenidas diagonais e quarteirões de dimensões regulares que permitem o fluxo de pessoas e a circulação de mercadorias.

Com o crescimento acelerado, novos planos foram desenvolvidos. Atualmente, BH é uma das cidades que mais se destacam em saúde, tecnologia e inovação, segundo o Sistema Urbano.

palmas
Semelhante à construção de Brasília, Palmas é a mais recente cidade planejada do país e foi desenvolvida para acomodar um milhão de habitantes.

Com o objetivo de ser multifuncional, a capital do Tocantins é formada por grandes avenidas, marginais, rotatórias e áreas verdes.

Assim, Palmas continua com um crescimento urbano ordenado.

Existe alguma diferença entre uma cidade planejada e uma cidade inteligente?
Já falamos aqui sobre como o conceito de cidade inteligente está transformando a gestão urbana com projetos completos e inovadores.

Nessa perspectiva, as cidades inteligentes possuem tecnologias que possibilitam a modernização e otimização dos serviços públicos.

Porém, o que diferencia uma cidade inteligente de uma cidade planejada é a implementação de recursos e tecnologias no planejamento urbano. Em outras palavras, cidades planejadas podem se tornar inteligentes com projeções, ferramentas, tecnologias e soluções eficientes.

O projeto pioneiro Cidade Inteligente Laguna, no Ceará, é um exemplo clássico de que uma cidade planejada pode ser inteligente, sustentável e inovadora.

O que você achou deste conteúdo?
A gestão urbana está cada vez mais em pauta no desenvolvimento das cidades brasileiras. Isso porque a qualidade de vida nas áreas urbanas continua sendo uma prioridade nos aspectos socioeconômicos.

Interessado em aprender mais sobre gestão urbana inteligente? Preparamos um conteúdo especial para você. Acesse aqui e boa leitura!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.Os campos obrigatórios são marcados com *